29 de mai de 2016

Peço perdão pelo vacilo.

Chega o final de semana, e, como tem sido nas últimas semanas, mais uma vez venho aqui para escrever o post do Desafio das 52 Semanas. E, também como nas últimas semanas, me sentindo totalmente desanimada e sem vontade de fazer isso.

Daí que, antes de começar, eu apenas me perguntei o óbvio: pra quê estou insistindo nesse negócio???


Me lembrei de quando resolvi voltar a escrever em um blog e criei este espaço, da intenção que eu tinha na época, e que expliquei na primeira postagem: Vou escrever o que me der na telha. E o mais importante: quando me der na telha, se me der na telha.

Quem me conhece sabe que um dos motivos que me fez desanimar de blogar antes foi justamente a sensação de me sentir obrigada a escrever: já tenho tantas obrigações na vida, não preciso arrumar mais uma com o blog, certo? Entretanto, é exatamente isso que venho construindo aqui nos últimos tempos ao tentar manter uma certa rotina de postagens, em especial com o Desafio.

Já não tenho escrito sobre outros assuntos por diversas razões, mas vinha insistindo em manter a regularidade do Desafio porque, afinal, ele é realmente interessante, e eu não queria abandoná-lo no meio. (Antigos leitores do Coisas Minhas talvez se lembrem que eu tenho uma certa experiência em abandonar projetos como esse. #fail) Além do mais, me pareceu uma ótima ideia na época em que resolvi participar: os temas direcionavam postagens curtas e rápidas, que ajudariam a manter o blog ativo mesmo quando eu estivesse sem ideias.

O problema é que, com isso, criei a obrigação de postar - exatamente o que eu me propus a não mais fazer em um blog.

Sim, a ideia do Desafio, com seus posts curtos e rápidos, é ótima! A questão é que, no momento, eu não quero escrever nem mesmo posts curtos e rápidos. Não quero escrever nada. Não estou com vontade, não estou a fim, estou em uma fase em que sinto que não tenho nada a dizer.

Assim sendo, esse post é basicamente para dizer que: peço perdão pelo vacilo, mas estou parando com os posts regulares do Desafio das 52 Semanas. Quero dizer, não é que eu esteja abandonando tudo de vez - ainda acho a ideia boa, e as perguntas de fato podem render posts interessantes; eventualmente pretendo sim usar as questões do Desafio como tema para postagens, mas não vou mais me prender à rotina de ter que postar toda semana, tampouco à ordem predeterminada dos temas. Resumindo, pretendo retomar meu esquema inicial de postar o que eu quiser, se eu quiser, e quando eu quiser; e não porque está chegando o fim de semana e sou "obrigada" a fazer isso.

Ah, bem melhor assim. :)

- Pessoa que criou o Desafio, por favor, não me recrimine. /o\ Uma hora eu completo (ou não) as 52 semanas... Eu, apenas, talvez leve bem mais que 52 semanas para isso. Mas uma hora chego lá. :)

I want to break free...

- - - - -

No mais, fico por aqui... E já aviso: acredito talvez fique sumida por uns tempos. Não estou encerrando o blog nem nada assim, claro que não. Só ando sem assunto, mesmo, e como minha intenção nunca foi ficar enrolando por aqui, não volto enquanto não houver algo que eu realmente queira dizer. Sabe-se lá quando vai ser isso... Mas, em algum momento, vai acontecer. Porque a vontade de escrever sempre volta. ;)

Então... Até logo. A gente se vê.

23 de mai de 2016

Longe...

É noite. Brisa fresca soprando, bagunçando levemente os cabelos. Lá embaixo, luzes brilham. Carros, casas, gente, vida... No alto, escuro: as luzes do céu tristemente ofuscadas pelas luzes das gentes.

No horizonte, o mar, negro na noite sem luar. Lustroso, calmo, sereno. Silencioso. Misterioso. De encher os olhos, como sempre...

Ao longe, ilhas. Ou a sombra delas? Algumas iluminadas, brilhantes. Outras escuras, seu negrume quase escondido na quietude das águas. Tão longe... Do alto, tudo parece longe.

E ali, perdidos no breu, os barcos. Ah, os barcos... Tantos. Lá se vão eles, pequenos pontinhos de luz na escuridão. Eles vão... eu fico. E me perco em divagações: para onde vão? Penso em aventuras, em lugares bonitos, em empolgação, em novidade. Me pergunto quem está lá, me pergunto por quê...

Mas, principalmente, me pergunto: será que podem me levar?


21 de mai de 2016

Desafio das 52 semanas #20

Não conhece o desafio? Clique aqui! ;)


Tema da Semana:
~ * ~
Fico de mau humor quando...


1. Estou com calor. Já está ficando repetitivo, mas fazer o quê? É a verdade, o calor me incomoda demais. Se eu estiver passando calor, é praticamente certo que meu humor esteja péssimo.

2. Estou em um ambiente barulhento. Eu odeio barulho. Mesmo. Se não quer me ver com vontade de socar alguém, não me leve para um ambiente desses.

3. Sou acordada sem motivo. Nossa, que raiva que dá. Especialmente porque eu sou super cuidadosa quando tem alguém dormindo, seja a hora que for: evito fazer barulho, fecho portas com cuidado, assisto televisão em um volume baixo, e por aí vai. Odeio quando não retribuem a cortesia. Azeda meu humor, e demora a adoçar de novo. Não me acorde sem motivo, obg.

4. As coisas não acontecem conforme planejei. Aqui se enquadram as mais diversas situações, é só usar a imaginação. No mais, universo, por favor coopere e não frustre meus planos, porque eu não sei lidar muito bem com isso.

5. Fico mofando no ponto de ônibus. Poucas coisas me irritam tanto quanto gastar meu precioso tempo parada em um ponto de ônibus esperando a condução - e, para meu azar, é bastante frequente passar por isso com as conduções do bairro em que moro. É sempre imprevisível: pode ser que eu espere cinco minutos, ou vinte, ou quarenta, ou uma hora. Já teve extremos de ficar uma hora e quarenta no ponto esperando o ônibus. É desesperador. E o mau humor só piora porque a gente sabe que quando a bendita condução passar vai estar mais lotada que de costume, e vai parar mais que de costume já que estão todos esperando por ela, etc, etc. ¬¬'

- Vixe, que quase fiquei de mau humor só de pensar nessas coisas para escrever o post, haha... :P

15 de mai de 2016

Desafio das 52 semanas #19

Não conhece o desafio? Clique aqui! ;)


Tema da Semana:
~ * ~
Meus seriados preferidos.


1. Once Upon a Time. Minha série preferida.  Consegue reunir diversos elementos que eu simplesmente AMO: contos de fadas, magia, happy endings, vilões que não são tão ruins, mocinhos que não são tão bons, aventura, fantasia, romance, uma pitada de drama... Acho inteligentíssima a forma como a série une e reinventa tantos contos de fadas - além de mitologia, histórias clássicas ou até mais recentes - em um único universo cheio de reviravoltas.  Ok, eu confesso que ultimamente o andamento da série tem me decepcionado um pouco por várias razões que não cabe comentar aqui, mas que volta e meia comento no meu Twitter. Porém, ainda assim: acho difícil que algum dia eu deixe de amar esse universo encantado...  PS: Inclua-se aqui o spin-off Once Upon a Time in Wonderland, que foi MUITO BOM. \o/

2. Jane Eyre. Série da BBC, de 2006. Na verdade é uma minissérie, mas não importa, né? Uma das melhores adaptações do livro E com certeza um dos melhores Rochesters. :P

3. Lost. Amo! Já assisti duas vezes e não me canso dos mistérios, do perigo, das reviravoltas... Além do mais, também tem o Sawyer, o que por si só já é motivo mais que suficiente pra amar Lost. :P E não, não achei o final uma bosta. Na verdade, achei toda a última temporada uma ótima sacada pra manter as pessoas entretidas e se perguntando WTF tá acontecendo??? Eu gostei de tudo. Deal with it. ;)

4. Cold Case. Faz tempo que eu assisti, mas curtia demais. Aquele tipo de série em que os episódios são mais ou menos independentes, mas que mesmo assim consegue manter uma cronologia interessante que prende sua atenção. Ok, repetiu exatamente a mesma fórmula por várias temporadas... mas quem liga? Era uma fórmula ótima, por mim podia repetir à vontade, que eu gostava demais. ;) Quanto mais cold (ou antigo) o case, melhor.  Havia casos realmente sensacionais. Alguns dos que mais me marcaram foram aquele dos anos 60 das menininhas gêmeas, e o da Scarlet Rose, quem lembra? Ponto alto: as músicas que tocavam no final de cada episódio, referentes à época do caso investigado. Eu adorava aquilo, nossa. Conheci cada música boa! 

5. Chaves e Chapolin. Sim, são duas séries. E não, não sei nem se podem ser consideradas exatamente séries - pelo menos, não no formato daquilo que entendemos por séries hoje em dia. Mas ah, a lista é minha, pra mim são séries sim, e elas não só vão entrar aqui, como vão entrar como um tópico só, porque né? :P Afinal, essas são preferidas desde sempre e para sempre. 

- Na verdade - chocante! - eu não sou muito uma pessoa de séries. Comecei a me interessar por elas não faz tanto tempo, e acompanho pouquíssimas no momento. O que eu sempre assisti mesmo eram as sitcoms que passavam na TV, mas acho que talvez essas não caibam em uma lista como essa... Enfim, não é que eu não goste de séries, mas é que eu sou chata exigente demais, e não é a coisa mais fácil do mundo uma trama me fisgar pra valer a ponto de me fazer acompanhar por temporadas a fio. ;)

7 de mai de 2016

Desafio das 52 semanas #18

Não conhece o desafio? Clique aqui! ;)


Tema da Semana:
~ * ~
Sinto saudades...


1. Da minha infância. Ah, era tudo tão mais fácil, tão mais feliz...

2. Dos meus avós paternos. Eu era criança quando eles faleceram, e não tenho muitas lembranças deles - especialmente do meu avô, que partiu primeiro... Mas as que tenho me enchem de saudade. Gostaria de ter tido mais tempo com eles, de ter dividido mais momentos, mais histórias... 

3. Da Itália. Sempre. Preciso voltar um dia. 

4. Das minhas aulas de piano. Sinto muita falta! Eu até consigo estudar sozinha, mas não tenho a disciplina necessária para progredir. A rotina das aulas era muito especial... um dia ainda volto. 

5. Do meu sobrinho. Não vejo meu neném desde dezembro, quando vim para a Tailândia. Felizmente temos a tecnologia como aliada nestes tempos, ela nos aproxima um pouco... Mas, ainda assim, não é o bastante. Não é a mesma coisa. Que saudade! :/

3 de mai de 2016

Hello from: Koh Samed.

A Tailândia, como muitos já devem saber, é conhecida por suas ilhas e praias lindíssimas, paradisíacas. E como quem me acompanha aqui no blog (e na vida) também já deve saber, eu não sou exatamente uma fã de praias... Mas estando aqui, a gente precisa abrir uma exceção, não é? ;)