28 de set de 2015

Devaneio.

Faz de conta que é época de Natal.

Árvore montada, enfeites brilhantes, presentes surpresa. Luzinhas por todo o lado. Música típica, cafona e reconfortante. Lembranças boas. Natal carioca de dia meio nublado, meio mormacento, o ar abafado aplacado pelo fresquinho dos ventiladores com seu zumbido familiar ao fundo. Na cozinha, atividade: forno aceso, cheiro gostoso. Na parede do canto, um piano que não vive mais silencioso. No chão, um cachorro serelepe. Na carteira, o suficiente. Na programação, a tão sonhada viagem. No ar, a expectativa, ele logo vai chegar e mal posso esperar. No peito, suspiros. Nas pessoas, o amor. Na rotina, conforto. No futuro, esperança. E no coração, paz. Finalmente.

Na balbúrdia, um olhar ao redor, um sorriso comedido no canto nos lábios. E um pensamento: Deu tudo certo, afinal. Ah, se deu.

Apenas faz de conta... Mas podia ser verdade, né?


Tô viva.

Só avisando, mesmo.

Depois de mais de um ano sumida... né?

Só isso.

Beijos.