27 de dez de 2013

Quase 25.

Daqui a uma semana faço aniversário. Oito dias, e terei 25* anos.

Digamos que estou passando por uma espécie de "crise dos 20". (Isso existe?) Ando questionando por que estou tão distante de tudo aquilo que sempre quis pra mim, por que não sou a pessoa que achei que seria aos 25 anos. Tentando entender o que realmente quero da vida, e o que preciso fazer para conseguir. Tentando enxergar o que está faltando. Parece que ainda falta tanto...

Faço minhas as palavras da Sandy - não estou fazendo 30 anos, mas me sinto do mesmo jeito:

Acabou a brincadeira, e aumentou em mim a pressa de ser tudo o que eu queria e ter mais tempo pra me exercer. Tenho sonhos adolescentes, mas as costas doem. Sou jovem pra ser velha, e velha pra ser jovem. [...] E há pouco eu tinha quase 20... Tantos planos eu fazia! E eu achava que em dez anos viveria uma vida, e não me faltaria tanto pra ver.

E ainda por cima hoje, lendo causalmente o livro da vez - Não Faz Sentido: Por Trás da Câmera, do Felipe Neto - me deparo com o seguinte trecho:




Ok, quanta coincidência há nisso? Qual é a probabilidade de você escolher um livro aleatório para ler, e justamente quando faltam exatamente oito dias para o seu aniversário de 25 anos (e você, inclusive, já estava surtando levemente no Twitter mais cedo por isso), você vira a página e se depara com um trecho desses, descrevendo exatamente sua situação e seu sentimento? É um sinal, só pode! :P Se bem que, se foi um sinal, não captei a mensagem, só mesmo a coincidência. Desculpa aí, vida.

* * *

Enfim. Meus 25 anos estão chegando, e como já falei várias vezes no meu Twitter pessoal: não estou preparada. Gostaria de parar o relógio para poder me organizar antes de seguir em frente, ou mesmo voltar no tempo um pouquinho - fazer coisa diferentes, escolher coisas diferentes... Como seria?

Mas o "como seria" não existe, não é mesmo? Só o "como será". E o relógio com certeza não vai parar para esperar minhas inseguranças passarem, ele vai seguir em frente como sempre segue. Só me resta correr atrás dele... e tentar tirar o atraso, recuperar o tempo perdido.

Eu consigo. Sei que consigo.

Feliz aniversário para mim.

* Ou, como gosto de chamar: 1/4 de século. O que provavelmente decorre dessa minha tendência estúpida de me achar velha. :)

Seis coisas que eu faria se tivesse dinheiro.

(não necessariamente em ordem de importância)

1. Aulas de canto.

2. Voltar às aulas de piano (mais uma vez).

3. Aulas de dança.

4. Voltar à Itália.

5. Ir a NY assistir um musical na Broadway.

6. Comprar uma casa na região serrana (ou em qualquer outra cidadezinha mais pacata e menos calorenta que o Rio de Janeiro).


http://weheartit.com/entry/18237592

All the things I could do if I had a little money, it's a rich man's world.


~ E você, o que faria se tivesse mais dinheiro? ;)

22 de dez de 2013

50 perguntas para abrir a sua mente #5

Último post fechando as questões do meme 50 perguntas para abrir a sua mente, que peguei no blog da Cinthya Rachel.

Se quiser ler as perguntas anteriores, é só clicar: #1, #2, #3 e #4.



* * *

41. Se você soubesse que todo mundo que você conhece fosse morrer amanhã, quem você visitaria hoje?

Tem que escolher uma pessoa só? Cruel, hein... Essa eu passo.

42. Você diminuiria sua expectativa de vida em dez anos para se tornar alguém famoso?

Definitivamente não. Se bobear, eu diminuiria minha expectativa de vida em dez anos justamente para não me tornar famosa...

43. Qual é a diferença entre estar vivo e realmente viver?

Estar vivo é levantar da cama todos os dias, trabalhar, respirar, comer, dormir, se mexer, manter a máquina do corpo funcionando. Viver é encontrar um sentido em tudo isso... algo que faça o esforço valer a pena.

44. Quando é a hora de parar de calcular riscos e recompensas, e simplesmente seguir em frente e fazer o que acredita ser correto?

Quando os cálculos começarem a te deixar com mais dúvidas do que certezas.

45. Se nós aprendemos com nossos erros, por que estamos sempre com medo de cometer um erro?

Porque somos bobos, basicamente. E porque temos muito medo do que os outros vão pensar ao nos verem errando...

46. O que você faria de diferente se soubesse que ninguém iria te julgar?

Ah, tantas coisas! Dançaria, flertaria, comeria, pensaria, falaria, mostraria... viveria. ;)

47. Quando foi a última vez que você percebeu a som da sua respiração?

Agora há pouco... Para quem gosta do silêncio como eu, isso é fácil.

48. O que você ama?

Posso fazer uma lista? Mais fácil vocês lerem aqui.

49. Daqui a cinco anos, você irá se lembrar do que você fez ontem? E um dia antes? E outro dia antes?

Se não aconteceu nada de diferente, por que eu lembraria?

50. Decisões estão sendo tomadas agora. A questão é: você está tomando-as por si mesmo, ou está deixando que outros as tomem por você?

Não estou deixando que tomem decisões por mim, mas também não posso dizer que tenho decidido muitas coisas... No momento, me sinto estagnada, parada. E sinto que o único jeito de sair disso é justamente tomando algumas decisões e colocando-as em prática. Juntando coragem... daqui a pouco é mais um ano que começa, sempre é tempo, não? ;)

Fim.

15 de dez de 2013

50 perguntas para abrir a sua mente #4

Penúltimo post com as questões do meme 50 perguntas para abrir a sua mente, que peguei no blog da Cinthya Rachel.

Se quiser ler as perguntas anteriores, é só clicar: #1, #2 e #3 .



* * *

31. Em qual fase no seu passado recente você se sentiu mais apaixonado e vivo?

Caramba, que pergunta... Estou pensando aqui, mas simplesmente não consigo pensar em uma resposta. Faz tempo que não me sinto realmente "apaixonada e viva". Acho que uma fase próxima a isso foi quando viajei para Buenos Aires no começo do ano. Turistar, conhecer lugares novos, ir para longe da rotina, estar com companhia agradável... tudo isso faz sempre muito bem, renova as energias.
Mas também tem outra coisa que definitivamente sempre me faz sentir feliz, viva e apaixonada: a música. Minhas aulas de piano (que saudade, meu Deus! :/), cantar no coral, cantar até no chuveiro... Ah, a música.

32. Se não agora, quando?

Um dia. Tenho fé!

33. Se você ainda não alcançou aquilo que procura, o que você tem a perder?

É verdade, não? Não faz o menor sentido ter tanto medo de arriscar, se você não tem nada de realmente valioso a perder caso não dê certo...

34. Você já esteve com alguém e não disse nada, mas saiu sentindo que teve a melhor conversa da vida?

Que eu me lembre, ainda não. Ainda.

35. Porque religiões que apoiam o amor causam tantas guerras?

Porque os homens não entendem nada, e estão muito mais preocupados em julgar e apontar o dedo do que praticar o amor ao próximo.

36. É possível saber, sem dúvidas, o que é bom e o que é mau?

Na maior parte das vezes, sim. Acho que são raros os casos em que esses conceitos podem ser realmente questionados. Hoje em dia as pessoas adoram relativizar tudo, mas eu, pessoalmente, acredito que o ser humano sempre tem consciência do que é bom e do que não é, e tem a opção de basear suas escolhas nessa consciência.

37. Se você ganhasse um milhão de dólares, você pediria demissão?

Com certeza. E aí, iria me dedicar às coisas realmente importantes, às coisas que me fazem feliz. Às vezes a gente gasta tanto tempo e energia correndo atrás de dinheiro, e quando percebemos, nem ao menos conseguimos usufruir dele. É meio absurdo, quando você para pra pensar.

38. Você prefere ter menos trabalho para fazer, ou mais trabalho sobre o que gosta de fazer?

Como ainda não tive a experiência de trabalhar com algo que seja realmente uma paixão, fica difícil responder. Portanto, no meu momento atual, prefiro ter menos trabalho; porque aí me sobra tempo para dedicar ao que eu realmente gosto de fazer.

39. Você já sentiu que viveu um dia 100 vezes antes?

Acho que sim. Às vezes a rotina pode mesmo causar essa sensação de dias iguais...

40. Quando foi a última vez que você andou na escuridão com apenas uma pequena faísca que você realmente acreditava?

Pouco tempo. Posso dizer que foi ontem? :P

Continua...

6 de dez de 2013

50 perguntas para abrir a sua mente #3

Mais questões do meme 50 perguntas para abrir a sua mente, que peguei no blog da Cinthya Rachel.

Se quiser ler as perguntas anteriores, é só clicar: #1 e #2.



* * *

21. Você prefere ser um gênio preocupado ou um simples pateta?

Tenho a sensação de que um simples pateta consegue ser muito mais feliz que um gênio preocupado, portanto, acho que é o que eu preferia ser. Mas não sou. Quanto à parte do "gênio" não tenho certeza, mas quanto à parte do "preocupado", é 100% eu. E te digo uma coisa: é estafante ser assim. ¬¬'

22. Porque você é você?

Porque Deus quis? E acho que só Ele mesmo que me quis assim, porque olha... Até eu preferia uma versão mais light de mim mesma! :P

23. Você é o tipo de amigo que você quer como amigo?

Cá entre nós, esse é o tipo de pergunta em que duvido alguma pessoa ter coragem de responder "não". Mas, enfim: acho que sim. Não que eu seja uma amiga perfeita - tenho minhas chatices como todo mundo, mas tento ser boa o suficiente. E sou leal, coisa rara hoje em dia. O problema de ter uma amiga como eu seria encontrar alguma coisa para conversar, já que sou a pessoa mais sem assunto ever! :P

24. O que é pior: quando um grande amigo se muda, ou perder contato com um grande amigo que mora bem perto de você?

Perder contato com alguém próximo. Acho esse tipo de afastamento tão triste...

25. Pelo que você é mais grato?

Confesso que já fui mais sensível a essa questão da gratidão pelas coisas boas que tenho. Hoje em dia penso pouco nisso - o que não é bom, pois um olhar de gratidão sobre a vida definitivamente deixa a gente mais feliz sem falar que diminui consideravelmente a quantidade diária de mimimi... Mas, enfim: quando penso, sempre sou grata pela família em que nasci, pela minha saúde, pelo meu conforto material... há tantas coisas para agradecer quando a gente pensa a respeito, não?

26. Você prefere perder todas suas velhas memórias ou nunca ser capaz de ter novas?

Prefiro não ter que passar por nenhuma das duas situações. Ambas seriam realmente terríveis.

27. É possível saber a verdade sem desafiá-la primeiro?

Acredito que sim. Ou alguém aí sente necessidade de tomar veneno só para saber se é verdade que ele mata?

28. O seu pior medo se tornou realidade?

Nem sei bem qual é o meu pior medo, tenho tantos... E entre eles, sim, alguns são reais no momento. Mas acredito que não precisam continuar sendo verdadeiros para sempre. Enquanto há vida, há tempo de consertar certas coisas, e eu ainda não estou pronta para dar um veredito tão fatídico e dizer que tais medos são reais, que não têm mais jeito. Alguns podem até estar reais. Mas não são reais. Não ainda.

29. Você se lembra aquela vez que você ficou extremamente chateado há cinco anos?

Buscando na memória, até encontrei coisas que me chatearam bastante há cinco anos atrás. Mas agora, parecem tão distantes... Aliás, essa é uma lição que venho aprendendo: não há mal (ou bem, também) que dure para sempre. Uma hora tudo passa, e quando você menos espera, percebe que aquilo que te perturbou tanto de repente não tem mais importância alguma.

30. Qual é a lembrança mais feliz da sua infância? O que a torna tão especial?

Não sei. A infância, em geral, foi tão feliz! A inocência, a despreocupação com o futuro... a certeza de que tudo daria certo... Enfim. Algumas das minhas lembranças mais felizes envolvem festas de fim de ano e aniversários. Presentes. Minha cachorrinha. Brincadeiras - sozinha, ou com os amigos. Passeios. E etc.

Continua...