22 de nov de 2012

Julgamentos

Esses dias, navegando à toa pelo Youtube, me deparei com um vídeo que me encantou. Pelos motivos óbvios (overdose de talento ) e também pelas e entrelinhas. Porém, mais que gostar, o vídeo me fez pensar...

Antes de mais nada, se você ainda não conhece a história de Jonathan e Charlotte, assista o vídeo abaixo:




Nem preciso falar do talento, não é? Pessoalmente, amo esse estilo musical, mas mesmo que não gostasse, essa dupla me conquistaria apenas por seu exemplo. Jonathan e Charlotte foram uma grata surpresa para todos... Não só por suas lindas vozes, mas pelas lições que transmitiram em tão poucos minutos.

Quando os dois entram em cena, a reação das pessoas é lamentável. Simon Cowell comentando debochadamente "e quando você pensa que não dá para piorar...", a platéia fazendo cara feia. Tudo isso por apenas um motivo, que, sem rodeios, é simplesmente o fato de Jonathan ser gordo.

Se fosse apenas Charlotte. Se fosse Charlotte e um Jonathan magro, de cabelos curtos, todo arrumadinho. Se fosse apenas um Jonathan sarado e bem vestido. Mas não - quando entra o Jonathan real, só se vê uma coisa: sua aparência. E daí vem todo o julgamento inicial - que, basicamente, não dá muita credibilidade ao rapaz.

O vídeo prossegue, entra na parte da entrevista. E a primeira fala do Jonathan é justamente: "Eu sempre tive problemas com o meu tamanho, desde que posso me lembrar".

Touché.

O quão triste é isso? Passar a vida inteira sendo definido e julgado não pelo que você é, por seus méritos e talentos (que, no caso do Jonathan, são extraordinários), mas pelo seu peso? Pela sua aparência? É tão cruel. E vazio. E burro. Por que as pessoas dão tanto valor a algo tão efêmero quanto a aparência? Às vezes me pergunto porque Deus permitiu que esse traço seja tão vivo na natureza humana, porque, realmente, não faz sentido...

Então, Charlotte começa a falar. Sobre Jonathan, sobre a amizade dos dois, sobre como se revolta com o preconceito. Quanto a mim, fiquei admirada. Charlotte é uma menina bonita, e ser vista com um cara como Jonathan antes da fama poderia ser uma grande queimação de filme, especialmente sendo eles tão jovens. Mas ela não está nem aí, e defende o amigo contra o que der e vier.

Aliás, é notório - não apenas nas entrevistas, mas mesmo durante a performance - o quanto quanto ela apoia Jonathan. Com ela, ele teve coragem de subir ao palco e se expor aos comentários e às reações negativas iniciais que, de fato, vieram. Por um lado acho triste que ele precise tanto dela para se sentir especial... Mas por outro, pensei em como deve ser bom ter alguém assim por perto, que esteja junto com você nas horas difíceis. O próprio Jonathan admite: "Charlotte tem sido realmente uma grande ajuda para mim em termos de confiança, de me tornar um artista melhor. Não estaria no palco hoje se não tivesse Charlotte ao meu lado."

Enfim. O vídeo segue, e então, eles cantam. E encantam. Platéia, jurados e eu, todos viemos abaixo. Porque Charlotte canta muito bem, é verdade; mas se no início ela foi ofuscada pela aparência do Jonathan, agora é por seu talento estrondoso.

Então me senti mal por ter estado entre aqueles que, a princípio, não deram muita coisa por ele...

Jonathan foi tão excepcional, que Simon chegou a opinar que Charlotte não era boa o suficiente para cantar com ele. Então o rapaz, dessa vez no topo, retribuiu todo o apoio que sempre teve da amiga, respondendo apenas que estavam juntos e assim permaneceriam. Arrancou aplausos efusivos da platéia - e meus - com essa atitude... que acabou se mostrando a mais acertada. Porque nas apresentações seguintes evoluíram tanto que o próprio Simon, numa atitude inédita, voltou atrás e admitiu que estava errado - porque Jonathan e Charlotte, na verdade, são perfeitos juntos. 

Eles chegaram à final, terminaram o programa em segundo lugar. Quase ganharam. Gravaram um disco juntos, que foi lançado recentemente. E, por tudo, ganharam minha grande admiração.

Daí, fiquei pensando, pensando... Sabe, já vimos esse mesmo filme antes - e nesse mesmo programa, por sinal. Ou quem não lembra da história de Susan Boyle? Além de tantos outros casos... Mas nem assim aprendemos. O ciclo prossegue, continuamos julgando pela aparência, não pelo conteúdo. E, honestamente, não acredito que aprenderemos algum dia. Infelizmente.

Mas ficam as lições. Como Charlotte diz no começo de sua entrevista, é clichê, mas "Não se deve julgar um livro pela capa. Você precisa ler o que tem dentro". Tomara que um dia cheguemos a esse patamar ideal. E assim, talvez o que Charlotte e Jonathan cantaram em sua primeira audição se torne realidade: Sonhamos com um mundo sem mais violência; um mundo de justiça e esperança. Que cada um dê a mão ao seu vizinho, símbolo de paz e fraternidade. Que seja nossa oração. 


PS1: Clique nos links e veja por que Simon mudou de idéia - Charlotte simplesmente arrasou nas outras apresentações do Britain's Got Talent! Semi-final e Final.

PS2: Estou muito encantada com esses dois e com vontade de sair colocando links pra um bilhão de vídeos deles no Youtube. Mas vou me controlar, e não vou fazer isso. Só vou dizer: procurem e ouçam

PS3: Eu mencionei a Susan Boyle nesse post, e eu gosto dela e da sua história; então, não se atreva a fazer piadinhas sobre ela, hein! Humph.